Como um bom projeto pode morrer por falta de visão

Criado pela SIBS e transversal a todos os bancos, a MBWAY é um sistema que permite fazer pagamentos ou transferências de dinheiro através do telemóvel. Sistema muito cómodo e ajustado às nova geração dos Millennials, sem grande apetência para utilizar os sistemas tradicionais (Sucursal, Telefone ou até Online Banking).

A MBWAY surgiu como a grande alternativa digital ao sistema já antigo das ATMs

Agora, com o anúncio do primeiro banco a começar a cobrar pelo serviço é natural que o processo de adoção deste serviço chegue a um impasse. Mesmo que algum banco opte por não cobrar perde-se a “universalidade” do mesmo.

De hoje em diante, quem é que no seu dia-a-dia continuará a utilizar este serviço para fazer pequenos pagamentos a amigos/familiares quando existe um custo envolvido? (Isto tendo em conta que existe a possibilidade de recorrer a numerário ou até utilizar o Multibanco)

Nota que não se pretende com isto fazer uma critica direta aos bancos, estes estão a fazer tal como é a sua natureza — de cobrar por serviços prestados, acontece que:

  1. trata-se de uma nova realidade, em que a facilidade de utilização a baixo custo é fundamental;
  2. a possibilidade de efetuar micro pagamentos é critica no sucesso de qualquer sistema de pagamentos;
  3. a cobrança por serviços “automáticos” é difícil de justificar num mundo online e cada vez mais interligado;
  4. a quantidade de alternativas existentes no mercado (PayPal, Google Pay, etc…); e
  5. as limitações de geografia do sistema da SIBS.

A SIBS, sendo um sistema de pagamentos que engloba os bancos, tem a obrigação de ter uma visão mais abrangente e sustentável sobre a estratégia de medio/longo prazo.

Este sistema de pagamentos poderia ter permanecido gratuito ao:

(A) permitir construir (na APP) todo uma conjunto de serviços adicionais (sistema Freemium); ou

(B) cobrar apenas aos retalhistas ou prestadores de serviços.

Por tudo isto, torna-se difícil perspetivar sobre a sustentabilidade médio prazo da MBWAY

Mas “o azar de uns é a sorte de outros”, neste caso de empresas multinacionais, mais universalistas e até as cripto que, não sendo gratuitas, reentram desta forma no leque de opções dos utilizadores.

Acrescento apenas que é com pena que vejo este serviço começar a cobrar ao utilizador final. Não sei se a SIBS poderia ter optado por outro caminho, certo é que o futuro da MBWAY está traçado. Agora é tempo de desinstalar a APP e voltar a olhar às alternativas.