Começarei por explicar o que Criptoeconomia não é, depois o que é e no final explicarei porque é importante.

  1. Criptoeconomia NÃO É:

i. análise de tendências – não é olhar para gráficos e decidir qual é a melhor altura para comprar ou vender;

ii. economia aplicada a ativos digitais como criptomoedas ou tokens – Neste caso estaremos a analisar as relações de um ativo digital em si mesmo. p.ex. parte da análise do ecossistema que costuma figurar nos White Papers das ICOs/criptomoedas;

iii. definições livres que podem ser de alguma forma associadas ao termo criptoeconomia como: políticas monetárias, ou de como a tecnologia Blockchain irá afetar a estrutura financeira atualmente existente, ou análise microeconómica de diferentes mercados -> isto pode (e deve) ser considerado ECONOMIA. É inegável que se trata de um novo objeto de estudo da ciência económica e esta ensinar-nos-á muitas coisas sobre mercados e sobre como as pessoas reagem a incentivos -> Economia de Criptomoedas / Economia de Tokens mas será sempre ECONOMIA.

Desta forma, as criptomoedas e os tokens representam um novo objeto de estudo e análise da ciência económica, estes têm características e qualidades únicas. Mas estudar novos tipos de mercados e de como os agentes económicos tomam as suas decisões em relação aos incentivos financeiros continua a ser apenas “Economia”.

Portanto, Criptoeconomia não é um ramo da Economia.

2. Criptoeconomia É:

Criptoeconomia é algo mais específico, trata-se de um ramo da criptografia que junta:

i. Cripto – é uma função da informação que já existe – Lida com o passado;

ii. Economia – Tem a ver com incentivos – Lida com o futuro.

Segundo a definição de Josh Stark [Original], criptoeconomia é:

“The practical science of using economic mechanisms to build distributed systems, where important properties of that system are guaranteed by financial incentives, and where the economic mechanisms are guaranteed by cryptography”

O que na minha tradução livre fica como:

“a ciência prática de usar mecanismos económicos para construir sistemas distribuídos, onde as propriedades importantes desse sistema são garantidas por incentivos financeiros e onde os mecanismos económicos são garantidos pela criptografia”

Esta definição pode ser dividida em 3 partes:

(1) A ciência prática

Criptoeconomia tem a ver com construir “coisas”, i.e., é uma ciência prática

Bitcoin, Proof of Work, Ethereum, Proof of Stake, State Channels, Plasma, Sharding, ….

(2) Usa mecanismos económicos para construir sistemas distribuídos

A Criptoeconomia tem muito em comum com o design de mecanismos, que é um campo na Teoria dos Jogos.

Por isso, se me disserem que este é um site sobre Design de Mecanismos ou até Teoria dos Jogos, aceito 🙂

O Design de Mecanismos (também apelidada de “reverse game theory”), estuda os conceitos de solução procurando instaurar boas soluções a questões ca envolvem vários agentes interessados, tendo a informação privada de cada um acerca das suas preferências (fonte: Wikipédia, 2018).

Na Teoria dos Jogos, podemos olhar para alguns “jogos” e descobrir as melhores estratégias para cada participante. Por contraste, no Design de Mecanismos, começamos com o resultado que queremos e, em seguida, construímos um jogo que produzirá esse resultado, assumindo que os participantes agem em seu próprio.

Suposição: As pessoas agem no seu interesse próprio.

(NOTA: nunca concordei com a ideia das pessoas serem invariávelmente racionais mais sim de agirem no seu interesse próprio -> o ser humano é competitivo por natureza)

(3) Onde as propriedades importantes desse sistema são garantidas por incentivos financeiros e onde os mecanismos económicos são garantidos pela criptografia.

O ponto (3) ainda se subdivide para melhor compreensão:

(3a) Onde as propriedades importantes desse sistema são garantidas por incentivos financeiros

A única razão pela qual isto tudo funciona é as pessoas estarem interessadas em dinheiro, se amanhã as pessoas deixarem de estar interessadas no lucro com a mineração de blocos, não produzirão mais e o Bitcoin acaba (sinto-me seguríssimo quanto a este ponto). Em conclusão, assumimos que as pessoas vão continuar a estar interessadas em incentivos financeiros.

  • pagamento por bloco e fee de transação: Incentivos, incentivos e mais incentivos
  • dá-nos a possibilidade de mensurar em termos económicos: P.ex.: Se alguém quiser efetuar um ataque de 51% ao Bitcoin, irá custar no mínimo X.

(3b) e onde os mecanismos económicos são garantidos pela criptografia.

Sendo que, no caso do Bitcoin, temos:

  • SHA256 usado para provar “Trabalho”;
  • SHA256 usado para selecionar o vencedor “aleatório”;
  • As funções Hash com a sua propriedade unidirecional são usadas para prevenir a alteração do bloco;
  • A criptografia de chave pública (ou assimétrica) permite a posse exclusiva dos bitcoins.

O Bitcoin simplesmente não poderia funcionar sem estes mecanismos criptográficos.

3. Porque é importante

O fato de a criptoeconomia depender de incentivos financeiros e criptografia é o que torna esses sistemas distribuídos possíveis.

  • temos grande confiança de que essas primitivas criptográficas funcionam da mesma maneira em qualquer lugar;
  • temos grande confiança de que as pessoas reagem de maneira de maneira previsível aos incentivos financeiros;

Isso explica a noção de “sistemas distribuídos” que estava na definição anterior – a criptoconomia é muito útil na construção desses tipos de sistemas.

Protocolos de consenso são sistemas aplicados à criptoeconomia:

  • prova de trabalho (proof of work), prova de participação (proof of stake), sharding, etc …
  • como projetamos um conjunto de mecanismos que incentivam várias partes, desconfiadas entre si, a chegar a um acordo confiável sobre o estado de um sistema?
  • como fazemos o descrito acima com mais eficiência?

Soluções de 2ª camada (2nd Layer) são sistemas aplicados à criptoeconomia:

  • state channels, plasma, truebit, etc, …
  • como projetamos um conjunto de mecanismos que permite às partes conduzir operações eficientes fora da cadeia de blocos, mantendo um nível suficiente de segurança para as suas necessidades?

Outras “aplicações” ou protocolos são sistemas aplicados a criptoeconomia:

Como projetamos um conjunto de mecanismos que incentivem um grupo de pessoas a se envolver em um comportamento coordenado complexo? – por exemplo. mercados de previsão descentralizados, sistemas de leilão, mercados peer-to-peer para computação, armazenamento, etc …

Portanto, porque isto interessa?

As pessoas tratam blockchain como se fosse magia.

Elas assumem coisas erradas, tais como:

  • As blockchains não são fiáveis;
  • É completamente impossível alterar qualquer dado depois de gravado no blockchain;
  • Bitcoin é suportado apenas por matemática.

Criptoeconomia não é magia, é interdisciplinar e está para ficar.

Isto porque, você pode matar um blockchain, mas não pode matar um vasto repositório de conhecimento, amplamente compreendido, difundido e bem documentado, que sabemos que pode ser usado para construir coisas incríveis.

Criptoeconomia não se define, nem se limita às construções atualmente existentes:

  • Bitcoin pode acabar amanhã;
  • Ethereum pode acabar amanhã;
  • Blockchain pode acabar amanhã;
  • Até é possível que o design de Blockchain como DLT (distributed Ledger) não seja o design definitivo, mas é inquestionável o nascimento de esta nova área do conhecimento.
Portanto, vá em frente, acompanhe-me, entenda, documente e construa novo conhecimento.
Faça #BUIDL em vez de #HODL

…e esta a razão da existência deste site.

Fonte:

https://www.coindesk.com/making-sense-cryptoeconomics